Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

o largo.

onde tudo acontece...

30.03.18

Não matem o 1986


helena margarida

 

Direitos reservados

 

Malta, vá lá, por favor: deixem o 1986 em paz. Já chega. Falar sobre a série do Markl é que está a dar? As redes sociais estão febris com tanto comentário, texto opinativo, crónicas e afins sobre o assunto. Espalhou-se pela população portuguesa como o vírus do sarampo.

Anticorpos precisam-se para evitar este contágio. Já comecei com os sintomas de enjoo e espero ficar por aqui. Algum cientista iluminado que descubra rapidamente uma vacina contra esta maleita de quatro dígitos – 1986.

Sim, a série retrata fielmente aquela data. Sim, o Freitas era “facho” para os comunistas que tiveram que “engolir um sapo” e votar no “Soares é Fixe”. Havia videoclubes, rádios-pirata, cassetes e discos em vinil.

Em 86, também houve Mundial de Futebol no México com direito a caso “Saltillo”. Portugal entrou na CEE. Apareceu o cartão Multibanco. Como só vi os três episódios que passaram na televisão, não sei se estes temas farão parte do argumento.

Mas sei também que os GNR lançaram “Efectivamente” o “Psicopátria” com “Pós-Modernos” e o Rui Veloso cantava até à exaustão que “havia um pessegueiro na ilha” do “Porto Covo” e também “havia um milhafre ferido na asa” no “Porto Sentido”.

Incrivelmente, nas discotecas, com pista de dança e bola de espelhos, ouvia-se em estrangeiro The Smiths, U2, Talking Heads, The The, Madonna, Black Sabbath, Metallica, Van Halen, Iron Maiden, Queen, Bon Jovi, Simple Minds, Cars, Janet Jackson, Pet Shop Boys, Wham! Bananarama, Falco, Elton Jonh...

A sétima arte “bombava” com Tom Cruise no “Top Gun”, Ralph Macchio no "Karaté Kid II" e David Bowie era protagonista “Absolute Beginners”. Já Kim Basinger e Mickey Rourke “queimavam calorias” em "Nove Semanas e Meia".

À boa moda de 2018, a série já pode ser visionada na integra no RTP Play. Mas eu, que sou dos 80’s, vou esperar para ver o desenrolar de "1986" na minha SmartTV 4K, semana após semana.

Com a certeza de que, daqui por trinta anos, haverá uma série “2016”, escrita por Pedro Markl. O argumento andará em torno dos youtubers! Ou talvez não!

estamos no facebook e no twitter.
visita também a bilheteira do largo.
publicidade