Robô tátil promove inclusão em sala de aula

O Touchibo foi desenvolvido para melhorar interações entre crianças com e sem deficiência visual.
Interactive Technologies Institute

Uma equipa de investigadores do Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa e da Universidade de Cornell (EUA) apresentou recentemente um robô capaz de promover a inclusão nas escolas através de interações táteis, proporcionando igualdade de oportunidades a crianças com e sem deficiências visuais. O mais recente estudo da equipa demonstrou as crianças sentem participar mais individualmente e em grupo quando utilizam o robô, contribuindo para a criação de ambientes de aprendizagem mais inclusivos.

O robô chama-se Touchibo e foi desenvolvido para melhorar as interações em grupo entre crianças com e sem deficiência visual, tirando partido do efeito das interações táteis. “O Touchibo pretende fazer a ponte entre crianças com necessidades visuais diversas, promovendo a participação, a empatia e o envolvimento social entre elas”, afirma Isabel Neto, investigadora do Gaips Lab (INESC-ID) e do Interactive Technologies Institute.

O estudo envolveu 107 crianças, 37 das quais com deficiência visual. As crianças ouviram histórias narradas por uma pessoa e, em alguns casos, acompanhadas pelo robô Touchibo. Os investigadores analisaram as respostas e comportamentos e das crianças para avaliar o impacto das interações táteis no envolvimento social e na inclusão. “Utilizámos uma combinação de gravações de vídeo, questionários e dados de observação para compreender as nuances dos comportamentos táteis, a compreensão da história e a dinâmica de grupo”, acrescentou Isabel Neto.

As crianças que se utilizaram o Touchibo reportaram um envolvimento individual e de grupo significativamente maior do que com as que apenas ouviram a história. “O Touchibo não só promoveu interações táteis entre as crianças, mas também melhorou a perceção das crianças sobre a simpatia e utilidade do narrador da história, demonstrando o potencial do robô para enriquecer as interações sociais nas salas de aula com crianças com habilidades visuais mistas”, revela Isabel Neto.

Além disso, o estudo revelou a importância do toque na promoção da inclusão e da interação entre crianças com diferentes habilidades visuais. Ao criar um ambiente multissensorial para contar histórias, o Touchibo promoveu interações entre os intervenientes, fomentando um sentimento de pertença e de compreensão entre as crianças, promovendo a inclusão e compreensão entre crianças com necessidades visuais diversas.

Os resultados desta investigação abrem novas possibilidades para a criação de ambientes de aprendizagem inclusivos com crianças com capacidades visuais mistas, demonstrando o poder dos robôs tácteis na promoção de interações sociais e inclusão. Este estudo foi apresentado em março deste ano durante a conferência internacional Human-Robot Interaction, e foi apoiado pelos projetos DCitizens, CRAI, Hybrida e HumanE-AI-Net.

Este texto é publicado n’o largo. no âmbito do projeto “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa“, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

BOOMFIT apela a respeito pelo desporto em nova campanha

Artigo seguinte

Viana do Castelo celebra Dia dos Monumentos com sessão dedicada ao Chafariz Quinhentista

Há muito mais para ler...