Universidade de Coimbra lidera projeto estruturante para a conservação dos polinizadores em Portugal

Iniciativa visa combater o declínio dos insetos polinizadores, como as abelhas, borboletas, moscas-das-flores, entre outros.
Eduardo Goody/Unsplash

A Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) está a coordenar um projeto estruturante para a conservação e sustentabilidade dos polinizadores em todo o território nacional.

O projeto intitulado PolinizAÇÃO, coordenado por Sílvia Castro e João Loureiro, docentes e investigadores no Centro de Ecologia Funcional (CFE) do Departamento de Ciências da Vida (DCV), visa combater o declínio dos insetos polinizadores, como as abelhas, borboletas, moscas-das-flores, entre outros.

Para alcançar este objetivo, em estreita articulação com a Rede Colaborativa para a Avaliação, Conservação e Valorização dos Polinizadores e da Polinização – polli.NET, o projeto vai identificar e implementar ações concretas de conservação, ao mesmo tempo que mobiliza e consciencializa a sociedade sobre a importância vital destes agentes na biodiversidade e na produção alimentar.

«Os polinizadores desempenham um serviço vital nos ecossistemas, são cruciais para a natureza, a agricultura e o bem-estar humano. No entanto, enfrentam atualmente diversas pressões globais, desde alterações no uso do solo, que promovem a simplificação e homogeneização da paisagem, até invasões biológicas e mudanças climáticas», explica Sílvia Castro, alertando que estas pressões representam uma ameaça significativa à conservação da biodiversidade funcional dos ecossistemas e à produção agrícola sustentável.

No âmbito deste projeto será elaborado um Plano de Ação para a Conservação e Promoção dos Polinizadores e Serviços de Polinização em Portugal, orientador e pragmático, que vai fornecer uma base estratégica para as partes interessadas, estabelecendo diretrizes claras para promover práticas sustentáveis. «Este plano surge como uma resposta urgente e colaborativa para enfrentar os desafios que ameaçam os polinizadores», acredita a investigadora do DCV.

«O PolinizAÇÃO representa um compromisso sério com a conservação da nossa biodiversidade. Ao unir esforços com várias entidades, pretendemos avaliar o estado da arte sobre os polinizadores para o território nacional, criar um programa de monitorização de longa-duração, construir o plano de ação propriamente dito, e desenvolver iniciativas de disseminação e divulgação e de ciência cidadã sobre a importância dos polinizadores», elucida João Loureiro.

Este novo projeto, que terá a duração de dois anos, é financiado pelo Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente e Alterações Climáticas e envolve uma parceria de execução com a Rede polli.NET, incluindo membros destacados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), o Centre for Ecology, Evolution and Environmental Changes (cE3c), a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o Linking Landscape, Environment, Agriculture And Food (LEAF) do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto, a Associação BIOPOLIS, o Azorean Biodiversity Group da Universidade dos Açores, a Sociedade Portuguesa de Entomologia e o Centro de Conservação das Borboletas de Portugal – Tagis.


Este texto é publicado n‘o largo. no âmbito do projeto “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa”, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa. 

Encontrou um erro ou um lapso no artigo? Diga-nos: selecione o erro e faça Ctrl+Enter.

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

Praia da Vitória promove Semana das Zonas Húmidas

Artigo seguinte

"Tudo na Boa!" estreia no TVCine

Há muito mais para ler...

Spelling error report

The following text will be sent to our editors: