Alternativas sustentáveis para construção em cidades

Projeto tem o objetivo de fazer a ponte entre a industria, o ensino e a sociedade e a redução de resíduos.
IAAC/Universidade de Coimbra
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 6 meses, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

Uma equipa de arquitetos paisagistas da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) vai explorar e testar um conjunto de biomateriais e materiais biomiméticos (que simulam sistemas vivos) que possam ser alternativas aos materiais tradicionais de origem fóssil ou a emissores de CO2 no seu processo de fabrico. O foco é avaliar o seu potencial para uso na construção e assim contribuir para uma maior sustentabilidade. O mote é dado pelo projeto Erasmus + Co-Coon – Co-creating greener futures.

Um dos 16 materiais em estudo é o biobetão, uma mistura de cimento tradicional com bactérias na sua constituição, capazes de, em poucas semanas, reparar as fissuras. Estas bactérias podem viver neste material durante mais de 100 anos.

“O papel da FCUP é o de ajudar na identificação destes biomateriais, mas sobretudo o de fazer a ponte com a possível aplicação no projeto de espaços exteriores. Iremos trabalhar no desenho das várias soluções e de protótipos”, conta José Miguel Lameiras, arquiteto paisagista e docente da FCUP responsável pelo projeto na Faculdade de Ciências. Será então missão da FCUP, que integra ainda na equipa Paulo Farinha MarquesTeresa Portela Marques e David Campos, testar o uso destes materiais, por exemplo, em ambientes urbanos como parques, jardins, praças e ruas arborizadas.

Este projeto tem como objetivos fazer a ponte entre a indústria, o ensino e a sociedade e a redução de resíduos, uma vez que se pretende que estes materiais apoiem processos de economia circular. É esta, aliás, a lógica do biodesign que será o grande foco deste projeto, no âmbito do qual serão desenvolvidos módulos e aplicados em projetos-piloto.

A equipa é multidisciplinar, envolvendo pessoas das áreas da gestão, design, arquitetura, arquitetura paisagista, economia circular, tecnologias criativas e educação.

Liderado pelo ISMAT – Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes, em Portimão, este projeto Erasmus+  tem um financiamento no valor de 1 milhão de euros e integra também como parceiros também a Universidade de AALTO, na Finlândia, o FABLAB Reykjavikk, na Islândia e o Instituto Avançado de Arquitetura da Catalunha (IAAC), em Espanha. Há ainda duas instituições afiliadas: a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil, e a Universidade de Newcastle, no Reino Unido.

Este texto é publicado n’o largo. no âmbito do projeto “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa“, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

A ausência de humanos provoca alterações no comportamento dos tubarões

Artigo seguinte

Marinha Grande: Teatro Stephens recebe concerto para bebés

Há muito mais para ler...