Universidade de Évora com candidaturas abertas para Prémio Vergílio Ferreira

A cerimónia de entrega do galardão está agendada para 01 de março.
Divulgação
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 8 meses, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

Instituído pela Universidade de Évora (UÉ) em 1997, para homenagear o escritor que lhe dá o nome, o prémio destina-se a galardoar anualmente o conjunto da obra literária de um autor de língua portuguesa relevante no âmbito da narrativa e/ou ensaio. O prazo para apresentação de candidaturas ao Prémio Literário Vergílio Ferreira 2024, atribuído pela Universidade de Évora, está aberto até ao dia 29 de dezembro de 2023.

As propostas de candidatura devem ser oriundas de universidades em que se desenvolvam estudos de literaturas e/ou de culturas lusófonas ou de instituições culturais relevantes nesses âmbitos. A candidatura deve ser fundamentada com a apresentação do autor e respetiva obra literária.

As propostas podem ser enviadas para a UÉ em suporte papel, dirigidas ao presidente do júri, ou em suporte digital ([email protected]). Em suporte papel, deverá ser remetida por via postal para: Presidente do Júri do Prémio Vergílio Ferreira 2024; Prof. Doutor Antonio Sáez Delgado; Escola de Ciências Sociais; Universidade de Évora; Largo dos Colegiais n.º 2; 7004-516 Évora; Portugal.

Tal como nas edições anteriores, a cerimónia de entrega do galardão está agendada para 01 de março, data em que se assinala o aniversário da morte do escritor Vergílio Ferreira (1916-1996), patrono do prémio e autor de “Aparição”.

Na edição referente a 2024, o júri, presidido pelo professor da Universidade de Évora Antonio Sáez Delgado, integra também os docentes universitários Joana Matos Frias (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa); António Apolinário Lourenço (Faculdade de Coimbra); Elisa Nunes Esteves (Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora) e Ricardo Viel (Crítico Literário).

O Prémio Vergílio Ferreira foi atribuído, pela primeira vez, a Maria Velho da Costa, seguindo-se Maria Judite de Carvalho, Mia Couto, Almeida Faria, Eduardo Lourenço, Óscar Lopes, Vítor Manuel de Aguiar e Silva e Agustina Bessa-Luís. Manuel Gusmão, Fernando Guimarães, Vasco Graça Moura, Mário Cláudio, Mário de Carvalho, Luísa Dacosta, Maria Alzira Seixo, José Gil, Hélia Correia, Ofélia Paiva Monteiro, Lídia Jorge, João de Melo, Teolinda Gersão, Gonçalo M. Tavares, Nélida Piñon, Carlos Reis, Ana Luísa Amaral, Helena Carvalhão Buescu e ao escritor Ondjaki.

Este texto é publicado n’o largo. no âmbito do projeto “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa“, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

Famalicão recebe maior conferência de empreendedorismo do país

Artigo seguinte

Na Turquia, há mais um festival cancelado devido à censura desenfreada

Há muito mais para ler...