Ílhavo: Mar Film Festival flutua entre ficção e documentários

Certame terá o foco na produção nacional.
Divulgação
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 7 meses, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

Vem aí mais uma edição do “Mar Film Festival”. O certame regressa a Ílhavo para três dias em que o mar continua refletido na tela num programa que se concentra no Museu Marítimo.

O certame acontece ao longo de três dias e o programa vai “”flutuando” entre ficção e documentários, curtas e longas-metragens, com especial enfoque na produção nacional”, refere o município. O festival irá incluir uma programação especial para as escolas, nos dias 26 e 27 de outubro, além da exibição das curtas-metragens a concurso na edição 2023 do Prémio Mário Ruivo no dia 27 às 15h: “Este prémio é uma homenagem a Mário Ruivo, personalidade de reconhecido mérito científico, político, diplomático e cultural, pioneiro na defesa do oceano”, refere a autarquia.

O festival inclui também a exibição da curta “Águas nas Guelras” de Marco Schiavon, do documentário “Saudade o Futuro” de Anna Azevedo (ambos no dia 27 às 21h30), “Sonic Sea” de Michelle Dougherty e Daniel Hinerfeld (dia 28 às 10h30), “As Gaivotas Cortam o Céu” de Mariana Bártolo e Guillermo García López e “Carapau de Espinho” de André Roseira (ambos no dia 28, às 21h30.

Todos os eventos acontecem no Museu Marítimo de Ílhavo, à exceção da exibição do filme “Os Faroleiros” que acontece na Fábrica das Ideias da Gafanha da Nazeré. A pelicula é um “clássico do cinema mudo português” e que esteve “desaparecido durante sete décadas”. Esta exibição encerra o festival, no dia 29 às 17h30, e vai trazer a nova banda sonora crida pelo portuense Daniel Moreira e interpretada pelo grupo britânico The Arditti Quartet. A exibição do filme acontece no âmbito das comemorações do 130.º aniversário do Farol da Barra

O festival acontece de 26 a 29 de outubro.

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

Airplay40 Chart (15/10/2023)

Artigo seguinte

Com as guerras da Ucrânia e, agora, de Israel, político alemão pergunta: "'Até que ponto é que as coisas têm de ficar más' para que o Ocidente tome uma atitude?

Há muito mais para ler...