Educação em Israel é “voltada para o Exército” e “terrivelmente racista”, diz docente universitária

Nurit Peled-Elhanan, da Universidade Hebraica de Jerusalém, investiga a forma de como os palestinos são retratados nos livros escolares.
Claude Truong-Ngoc/Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0 DEED)
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 8 meses, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

Este artigo é uma republicação integral de um artigo de Julia Dolce e disponibilizado originalmente no site da Agência Pública.


A professora universitária, pacifista e ativista dos direitos humanos Nurit Peled-Elhanan é uma das mais proeminentes vozes críticas de Israel. Professora de educação, linguagem e semiótica social na Universidade Hebraica de Jerusalém e na David Yellin Academic College, ela pesquisa o discurso da educação israelense, tendo publicado diversos livros sobre o assunto, entre eles, “Ideologia e Propaganda na Educação – A Palestina nos Livros Didáticos Israelenses”. 

Segundo Nurit, o sistema educacional israelense tem como objetivo educar as crianças e adolescentes para serem soldados e temerem palestinos.

Essa educação compõe um projeto racista e colonial contra palestinos que sustenta Israel enquanto uma “etnocracia”, um Estado governado por um grupo étnico dominante, afirma a professora. Para ela, essa é a lente principal para se entender o conflito Israel-Palestina. 

A trajetória do ativismo de Nurit não é amparada apenas pela sua pesquisa ou pelos diversos prêmios internacionais de direitos humanos que coleciona. Israelense e judia, sua família foi uma vítima direta do conflito que entrou em nova fase na última semana. Em 1997, Nurit teve uma filha assassinada, aos 13 anos de idade, em um atentado suicida protagonizado por um palestino em Jerusalém. Ela responsabiliza Israel pelo atentado e, hoje, evita falar sobre o ocorrido. 

O racismo da educação israelense, para Nurit, é compartilhado pelos países ocidentais. Ela afirma que o discurso internacional sobre o conflito Israel-Palestina, incluindo a mídia, não contextualiza a ocupação militar israelense. “Vendem a imagem de Israel como uma democracia que deve ser protegida, não dão o contexto real”. 

No Brasil, o discurso não é diferente. “A gente era só jovens numa festa, festejando a vida, e do nada, as pessoas que querem morte interrompem isso”, afirmou Rafael Zimerman, no segundo bloco da cobertura de mais de 40 minutos que o programa Fantástico dedicou ao conflito no último domingo (8). Poucos minutos foram dedicados ao lado palestino do conflito. Rafael estava no “Tribe of Nova Universo Paralello Edition”, versão israelense do festival brasileiro Universo Paralello. A festa ocorria na vila de Re’im, próxima à fronteira com a Faixa de Gaza, onde 2 milhões de palestinos se espremem em uma área cercada de 365km2, altamente vigiada pelas Forças Nacionais Israelenses.

Na madrugada do sábado (7), 260 pessoas que estavam na rave foram assassinadas por integrantes do Hamas. No mesmo dia, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu declarou guerra, e Israel atacou Gaza. Cerca de 2.500 pessoas já foram assassinadas desde então, pelos dois lados do conflito.

Para Nurit, a rave é um exemplo emblemático de que Israel festeja a vida de um grupo minoritário de pessoas. “Há vários festivais como esse por lá, com essa retórica da liberdade. Os palestinos veem pelo muro os israelenses com suas piscinas, grandes jardins, festas pela noite, eles, que mal têm eletricidade, água e comida, vêem toda essa riqueza e bem estar. É difícil”, resume. 

Lê a entrevista completa

No seu livro “Ideologia e Propaganda na Educação – A Palestina nos Livros Didáticos Israelenses”, publicado em 2012, você analisa que os palestinos e árabes de modo geral são retratados de forma racista pela educação israelense. Esse discurso continua sendo propagado pelas escolas?

Desde a publicação do meu primeiro livro, os livros didáticos de Israel mudaram. Os palestinos não são nem mais mencionados nesse material, com exceção de menções como um problema abstrato de terrorismo ou demografia. Um livro didático chega a ter uma tabela dizendo como os beduínos e os árabes se multiplicam, como se fossem espécies de animais. Mas não há nada sobre a cultura ou história Palestina. Cidadãos palestinos não são mencionados como parte da sociedade israelense, mas sim como o inimigo interno. Nos chamam de “demografia defensiva”, agem como se tivéssemos que nos defender contra o problema do terror, mas nunca vemos as fotografias das pessoas que representam esse terror, não se sabe nada sobre eles com exceção de que são classificados pela categoria “problema”, o que é muito parecido com a forma como os judeus foram tratados na Alemanha nazista, “o problema judeu”. 
O discurso é terrivelmente racista, não apenas contra palestinos mas contra certos grupos de judeus, judeus árabes, judeus etíopes. Eles também são retratados como um problema que o Estado tem que lidar. Eles não são considerados algo a ser eliminado, porque o Estado precisa deles por motivos demográficos, precisa importar judeus. Mas são considerados um fardo civilizatório para o Estado, um termo colonial. Eles teriam que ser civilizados, ocidentalizados e apenas então poderiam ser integrados. É assim que são tratados, primeiramente são levados para acampamentos onde são “reeducados”, para então, talvez, serem integrados, mas sabemos que quatro ou cinco gerações depois isso ainda não acontece. Então o racismo está em todo o lugar. Mas os palestinos, claro, devem ser eliminados. É a lógica de eliminação e não aculturação, porque eles não são candidatos para integração na sociedade israelense. Há um determinismo sobre eles, é considerado que eles têm um instinto assassino inato, no sangue. O que eles fizeram agora não é lido através de nenhuma razão com exceção de que isso é o que eles são. E assim, os israelenses se livram de qualquer análise do que aconteceu, quando dizem ‘está no sangue’. Esse é o racismo que domina o país. 

Livro “Ideologia e Propaganda na Educação – A Palestina nos Livros Didáticos Israelenses” foi publicado em 2019 pela editora brasileira editora Boitempo 1disponível em Portugal em formato ebook _ Reprodução

A sua análise é sobre a educação pública, certo?

Nós quase não temos educação privada. Há algumas escolas independentes, mas ainda assim comprometidas com o currículo nacional. 

Por que esse discurso em relação aos palestinos mudou? Por que deixaram de ser mencionados?

Eu acho que é uma tendência política social. Os palestinos pararam de trabalhar em Israel, não os deixam trabalhar, então não os vemos. Também há o fato de que os governos estão cada vez mais alinhados à extrema direita. Não está tão diferente, mas é mais escancarado. Eles não existem para a consciência israelense, mesmo nessa grande revolta [contra o governo] que existe hoje em Israel, não se conversa sobre a Palestina, sobre os direitos palestinos, sobre a ocupação. Dizem que vão falar sobre isso depois, que não é a hora ou o lugar para se falar sobre, que querem uma democracia. Mas o fato de que dominamos 5 milhões de pessoas em condição de miséria, análoga à escravidão, ou até pior porque, eles nem trabalham, é respondido com um “vamos adiar para depois, depois que tivermos nossa democracia”. Então é um discurso colonial, um discurso racista. E piora com a extrema direita.

Dentro de Israel, tem uma legislação racista contra eles [palestinianos]. É proibido vender terras para palestinianos, muitos trabalhos são proibidos para palestinianos… 

Nurit Peled-Elhanan, investigadora da Universidade Hebraica de Jerusalém

Quando seu primeiro livro foi publicado, os livros didáticos traziam imagens retratando os palestinos de forma estereotipada, com figuras genéricas de povos árabes. Você acha que essas imagens não aparecem mais porque não seriam mais aceitas, dentro de uma lógica politicamente correta?

Não, o propósito é obliterá-los. Eliminá-los da consciência, da terra, do espaço, de todo lugar. Eles não existem. E mesmo existindo eles não existem. Políticos do que aqui chamam de esquerda nunca fariam coalizões com os partidos árabes. E eles se orgulham de matar palestinos, como o general Benny Gantz [ex-primeiro-ministro rotativo de Israel e ex-Ministro da Defesa], a única coisa que ele se orgulha é do massacre de 2014, quando 2.000 palestinos foram assassinados, incluindo 560 crianças, ele acha que é uma coisa boa. Para ele é um ingresso para a eleição. As pessoas votam nele porque ele assassina palestinos, e isso é quem se autodenomina de esquerda. Então, não, não é uma questão de “politicamente correto”. Nos territórios ocupados os palestinos estão sob resistência militar. Crianças de cinco anos são jogadas em tribunais e prisões militares. Dentro de Israel, você tem uma legislação racista contra eles. É proibido vender terra para palestinos, muitos trabalhos são proibidos para palestinos. 

Pirâmides etárias da população judia e da população árabe, de acordo com livro didático israelita. A população árabe é representada por uma figura de beduíno ao lado de um camelo. _ Reprodução do livro “Ideologia e Propaganda na Educação – A Palestina nos Livros Didáticos Israelenses”

E como você acha que essa imagem se espalha na cobertura internacional?

Eu não tenho visto muita cobertura internacional com exceção da Al Jazeera, mas acredito que ainda vendem a imagem de Israel como uma democracia que deve ser protegida. Ainda fazem isso e o que aconteceu no último final de semana reforça isso. A imagem de Israel como um Estado de sobreviventes do holocausto, ameaçada por valores antisemitas, por assassinos que os matam por serem judeus. Não dão o contexto real. Os países se sentem em débito com Israel, e também estão implicados na ocupação economicamente, os países europeus e os Estados Unidos. É um lucro gigantesco para eles e eles não querem perdê-lo. 

E internamente como é a cobertura da imprensa em Israel? Vocês têm veículos de notícia independentes que puxam esse debate?

Depende. Temos muitos veículos de imprensa. Mas há muito criticismo em relação ao governo. Por, ao invés de enviarem o exército para a fronteira com Gaza para impedir o terrorismo, enviarem o Exército às colônias [na Cisjordânia] para disseminar o terror contra palestinos. Todo o Exército está lá ajudando os colonos a destruir, matar e torturar pessoas. Então todos estão bravos, de todos os lados. Muitos culpam o governo israelense por permitir que o atentado do Hamas aconteça. Eles não tem nada, não tem comida, não tem roupas. O Exército israelense está há 30 anos perseguindo crianças palestinas nas ruas. E por parte do governo, o discurso é o mais baixo. Eles falam sobre vingança. Já mataram dez vezes mais palestinos em Gaza nos últimos dois dias. E quando entrevistam pessoas do governo ou do Exército todas são orientadas por esse discurso. Poucos não são, toda a atmosfera é por vingança e morte. 

E como essa vingança coexiste com ignorar a existência da Palestina e do povo palestino?

É como se não tivesse crianças, mães, são apenas pessoas que precisam ser eliminadas. Essa é a mensagem que se recebe por anos nas escolas, porque, se não, teremos outro holocausto. Eles são os exterminadores em potencial, nos livros didáticos aparecem como análogos ao nazismo. Suas ações são vistas como equiparáveis ao nazismo, não como uma reação à ocupação e colonialismo, mas como luta antisemita. E isso permanece inclusive nos livros de hoje. Tem um livro didático de 2020 que eu cito no meu mais novo livro, publicado este ano, em que eu relaciono a educação sobre o holocausto com a atitude em relação aos palestinos, que coloca palestinos como exterminadores em potencial. Eles se tornaram os novos nazistas.

Então o sistema educacional israelense é bastante baseado no medo. 

Sim, alterofobia2medo do outro, do que é diferente, completamente. Os livros didáticos para crianças a partir de sete anos sugerem que os professores ensinem para as crianças que o que aconteceu na Europa aconteceu porque os judeus não tinham um Estado para si. 

E os livros sugerem que um holocausto poderia acontecer novamente?

É algo que está à espreita, virando a esquina, o tempo todo. O medo de minorias que podem crescer e se tornar maioria e nos exterminar todos. Porque eles não são minoria, eles já são mais da metade da população. Então há esse medo de que, se tiverem uma chance, isso pode acontecer, e a ideia de que temos que ser fortes e controlá-los. 

Ocupação árabe em Israel, de acordo com livro didático israelita. _ Reprodução do livro “Ideologia e Propaganda na Educação – A Palestina nos Livros Didáticos Israelenses”

A figura dos soldados e do Exército como heróis também está na fundação dessa identidade das crianças e adolescentes israelenses?

Toda a educação é voltada para o Exército. Soldados visitam os jardins de infância e escolas, toda a ideia é educá-los para serem soldados. E claro que termina com a visita em Auschwitz e outros campos de concentração, e eles voltam embrulhados na bandeira de Israel cheios de vingança, mas não contra alemães e sim contra palestinos, os “novos nazistas”. 

Quando eu estive em Israel e na Cisjordânia eu via o quão militarizada e armada é a sociedade israelense. Mas essa mesma sociedade vende para o mundo a imagem de ser uma nação muito libertária, onde direitos humanos são respeitados, direitos das mulheres, direitos LGBTQI. E pregam isso em oposição ao islamismo. Como essa imagem de direitos humanos coexiste com uma sociedade tão militarizada?

Israel é o que chamamos de etnocracia. Tem uma etnia que tem direito a tudo isso, são eles que se mobilizam agora com medo de perder seu poder e privilégios. Eles são o que chamamos de judeus brancos, de origem europeia. Mas os cidadãos judeus etíopes e os cidadãos palestinos, não têm direitos. A polícia mata ou joga etíopes na cadeia como se não fossem nada. Agora mesmo há um grande escândalo de uma israelense de origem estadunidense, uma médica, que atropelou uma criança etíope de quatro anos e fugiu. O tribunal foi fechado, não deixaram a família da criança entrar. E a médica não foi banida. Não foi banida por matar uma criança de quatro anos, porque essa criança era negra e etíope. A comunidade etíope está muito brava e protagonizando vários protestos. Então não é um lugar de direitos iguais. Há direitos e privilégios para um certo grupo, que é, na verdade, bem pequeno, seja de direita ou de esquerda. 

Políticos, do que aqui chamam, de esquerda nunca fariam coligações com os partidos árabes. E eles [políticos] orgulham-se de matar palestinianos.

Nurit Peled-Elhanan, investigadora da Universidade Hebraica de Jerusalém

Especialmente aqui no Brasil, por conta do início dos ataques ter se dado em uma rave brasileira, essa imagem da festa enquanto um símbolo de Israel como um país pacífico, festivo ou libertário, tem sido evocada pela imprensa. Nas falas dos sobreviventes há a dicotomia de um lugar onde esse festival pode acontecer em oposição a um território muçulmano onde supostamente isso não poderia acontecer. Eu queria que você comentasse o fato de um festival como esse acontecer tão perto de Gaza. 

As pessoas das vilas próximas à fronteira se sentiam muito seguras, eles tinham certeza que estavam protegidos. Israel destruiu toda a infraestrutura de Gaza em 2014 e isso não foi reconstruído desde então. Os palestinos em Gaza mal têm eletricidade, água limpa, até hoje. Eles dependem de velas, uma situação horrível causada por Israel. E eles veem pelo muro as pessoas com suas piscinas, e grandes jardins, e festas pela noite. É bem difícil… Há vários festivais como esse no deserto, com essa retórica da liberdade e juventude. E os palestinos assistem a isso, eles, que mal tem eletricidade, água, comida, porque Israel impõe restrições sobre a importação de alimentos e materiais de construção, então eles não podem nem consertar o que Israel destruiu. E eles veem toda essa afluência, toda essa riqueza, todo esse bem estar. Deixa qualquer um louco de raiva. 

É uma imagem bem violenta.

Sim.

Professora, como é para você publicar seus livros e ser tão crítica à ocupação israelense da Palestina em um lugar onde nem a esquerda questiona esses fatos?

Meus livros são completamente ignorados aqui. Eu tenho um grande público internacional mas aqui sou completamente ignorada. E a razão é que não sou sionista e eles não estão interessados em estudos de quem não é sionista. Mas eu escrevo em inglês e tenho um grande público em outros países, e também entre palestinos. A Autoridade Palestina compra meus livros para os professores. E eu ensino. Tenho meus estudantes. Então é um preço pequeno a pagar. Teve uma conferência sobre genocídio em que fui convidada e queriam me providenciar seguranças. Mas eu fui com meus dois filhos fortes e disse que não precisava. 

Seguranças para te proteger contra quem?

Contra a extrema direita. Tem uma organização chamada Impact que viaja o mundo deslegitimando a educação e a imprensa pró Palestina. Eles fingem ser acadêmicos mas não são, não há publicação acadêmica, e eles ganham muito dinheiro, da UNESCO, dos Congresso dos Estados Unidos. O chefe dessa organização me disse que sua missão de vida é me destruir.

E essas organizações de extrema direita têm crescido em Israel, como no resto do mundo?

Sim, agora eles governam Israel. Estão no Exército, na polícia, por isso a polícia é tão violenta contra manifestantes. Estão na economia. Milhões e milhões são transferidos para as colônias [ocupação ilegal de Israel no território palestino da Cisjordânia], tirados da educação, do bem estar social, da saúde, tudo está colapsando, eles pegam todo o dinheiro e estão em todos os lugares no governo. É bem assustador. Tem se tornado um governo realmente fascista e infiltrado em tudo, na educação, nos livros didáticos. E não são burros, eles trabalham e são efetivos. Estamos em um momento muito difícil. 

Obrigada, professora. E desculpe pelo inglês enferrujado, eu tenho focado meu trabalho mais na cobertura nacional brasileira, principalmente dos conflitos socioambientais contra povos indígenas. Tem algumas semelhanças com o que acontece por aí. 

Sim, é bem semelhante. É tudo sobre não querer as pessoas que vivem nas terras que você por acaso tem interesse. O racismo tem muitas razões, mas essa é uma delas. 

Inclusive a colonização da Amazônia durante a nossa Ditadura Militar utilizou o mesmo slogan da criação do Estado de Israel, “uma terra sem povo para um povo sem terra”. 

Uau. Sério? 

Uma região bastante ocupada pela população indígena. 

Claro. Mas não pelas pessoas certas, correto? Então eles não veem as pessoas. Eu acho que na colonização da África do Sul eles usaram o mesmo slogan. E também a retórica da “terra prometida”, de que Deus deu a terra para eles. A maioria dos israelenses não acredita em Deus, mas acreditam que Deus deu o país para eles…

E essa visão religiosa está também nos livros didáticos?

Está infiltrada, mas não explícita. Mas sim, eles estão cheios de frases e mapas legendados com as escrituras. É tudo para justificar a colonização da Palestina.

Licença Creative Commons

Este artigo foi originalmente publicado no site da Agência Pública e republicado na íntegra n’o largo. ao abrigo da licença Creative Commons CC BY-ND 4.0.

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

Israel e Hamas: Musk perdido no nevoeiro da desinformação

Artigo seguinte

Canais transmitem celebrações de outubro em Fátima

Há muito mais para ler...