Produtora “Até ao Fim do Mundo” abre insolvência

Empresa tem subsídio de férias em atraso.
Até ao Fim do Mundo
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 9 meses, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

A produtora de televisão e de conteúdos Até ao Fim do Mundo deu entrada em tribunal com um pedido de insolvência. Segundo a edição digital da revista Meios & Publicidade (M&P), a informação foi confirmada por um dos sócios da produtora e diretor Agostinho Ribeiro.

Alguns dos efeitos mais imediatos deste pedido de insolvência são o cancelamento do magazine “Faz Faísca”, emitido aos domingos na RTP1 e que foi para o ar pela última vez no passado dia 17 de setembro, e de uma “pausa por tempo indeterminado” do programa literário “Nada Será Como Dante”, emitido na RTP2. Aliás, esta segunda-feira, o ator e apresentador do programa Pedro Lamares publicou um comunicado na sua página na rede social Facebook, informando que a emissão de novas edições do programa estava “em pausa […] por motivos insanáveis que inviabilizam a atividade plena da produtora responsável pela sua produção até à data”.

Fundada em 1998, a produtora foi também responsável por outros formatos como “Príncipes do Nada”, “Portugueses Pelo Mundo”, “Som de Cristal”, “Tabu”, “O Último a Sair” ou “Os Contemporâneos”. Em 2020, devido à pandemia de COVID-19, vários problemas financeiros obrigaram à redução da equipa que, atualmente, é de 45 trabalhadores. A M&P acrescenta que está em atraso o pagamento dum subsídio de férias.

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

"Fechado" estreia na RTP2

Artigo seguinte

CoimbraShopping assinala dias mundiais da Música e do Idoso

Há muito mais para ler...