RTP Madeira inaugura novos estúdios

Processo de migração para HD iniciou-se em 2019
RTP/Divulgação
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 1 ano, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

A RTP concluiu o processo de migração da RTP Madeira para as transmissões em alta-definição. A emitir em HD desde março, o Centro Regional da Madeira (CRM) foi alvo de uma série de reformulações que culminaram na passagem dos estúdios de produção e de informação para HD e a instalação dum novo sistema de gestão, automação e produção de conteúdos.

Numa nota de imprensa, o diretor do CRM Martim Santos lembra que a modernização das instalações do centro era “uma aspiração antiga e muito reclamada. Havia a necessidade de acompanhar a galopante evolução tecnológica do panorama televisivo e adaptar-nos ao seu dinamismo”. O processo de migração iniciado em 2019 acabou assim com os processos de gravação, reprodução e movimentação de conteúdos ainda baseados em cassetes de vídeo: “Com a introdução deste sistema passou a ser possível agendar gravações, disponibilizar conteúdos a qualquer sala de edição, automatizar processos de entrega de conteúdos e construir playlists para os estúdios a partir do ENPS” (software utilizado para a gestão de emissão), descreve Miguel Ângelo, da direção de Engenharia, Sistemas e Tecnologia da RTP.

Os novos estúdios receberam também matrizes de vídeo de alta-definição, nove câmaras e objetivas, monitores, ecrãs multiview e iluminação: “Há uma alteração profunda na nossa forma de funcionar, que passa a ser ainda mais ágil e eficiente”, diz Santos, acrescentando que o investimento traz afirmação ao canal regional pública “enquanto reforço da coesão e identidade regional […]. No futuro, temos que seguir relevantes para a população madeirense”.

A RTP Madeira está disponível, em Portugal, na grelha da Televisão Digital Terrestre (TDT) para a Região Autónoma da Madeira, e em todo o território nacional através das operadoras MEO, NOS Portugal, NOWO e Vodafone Portugal.

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

Alijó recria Via Dolorosa

Artigo seguinte

Boa Páscoa!

Há muito mais para ler...