Universidade de Coimbra lança plataforma digital ligada às Ciências Planetárias

Pretende-se criar condições favoráveis para o intercâmbio de boas práticas de ensino e divulgação das Ciências Planetárias
Universidade de Coimbra
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 1 ano, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

Os departamentos de Física, Matemática e Ciências da Terra da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) acabam de lançar uma nova plataforma digital ligada à área das Ciências Planetárias. A geoplanet.space reúne informação sobre os requisitos, os conteúdos e as saídas profissionais (carreiras de investigação, na indústria e na academia) dos mestrados em Astrofísica e Ciências Planetárias nas universidades de Coimbra, Porto, Nantes (instituição coordenadora), Gabriele d’Annunzio em Chieti/Pescara e Pádua, parceiras do projeto estratégico Erasmus+ GeoPlaNet-SP (KA203).

Esta plataforma, um dos produtos intelectuais do projeto, promove os cursos de mestrado da FCTUC com ligação ao tema das Ciências Planetárias, junto de estudantes do 1º ciclo do ensino superior, mas também estudantes do ensino secundário. Um desses cursos, o Mestrado Conjunto Erasmus Mundus em Geociências Planetárias, criado no âmbito da colaboração entre as universidades acima referidas, tem início marcado para setembro de 2023. O primeiro semestre irá decorrer na Universidade de Coimbra com a colaboração da Universidade do Porto, o segundo em Chieti/Pescara, já o terceiro semestre será em Nantes e o estágio de mestrado numa das instituições do consórcio GeoPlaNet.

O projeto estratégico GeoPlanet-SP teve como principais objetivos estruturar e enriquecer a oferta formativa em Geociências Planetárias na Europa, através do reforço da cooperação entre parceiros, e de colaborações com empresas na área da indústria espacial.

Pretende-se, desta forma, criar condições favoráveis para o intercâmbio de boas práticas de ensino e divulgação das Ciências Planetárias, no seio de uma rede de excelência, e desenvolver atividades conjuntas e resultados intelectuais de interesse para os potenciais candidatos a mestrados nessa área. Por último, o projeto trouxe aos participantes a oportunidade de uma experiência europeia multicultural, que se considera valiosa para carreiras num setor intrinsecamente internacional.

Saiba mais sobre o projeto GeoPlaNet-SP aqui e sobre o Mestrado Erasmus Mundus GeoPlaNet-EMJM aqui.

Este texto é publicado n’o largo. no âmbito do projeto “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa“, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa

Total
0
Partilhas
Artigo anterior

Shakira: Um ícone feminista inesperado?

Artigo seguinte

Nick+ deixa MEO

Há muito mais para ler...