Carta dos Segredos Gastronómicos CIM Viseu Dão Lafões

Segredos Gastronómicos da região Viseu Dão Lafões revelados em Carta

Investigadora Olga Cavaleiro recolheu testemunhos e perpetua receitas ao longo de 383 páginas.
8 Partilhas
8
0
0

A Carta dos Segredos Gastronómicos da região Viseu Dão Lafões é “todo um novo olhar sobre as cozinhas regionais deste território”, explica a investigadora Olga Cavaleiro.

Numa exaustiva recolha de testemunhos, “deu-se luz a uma diversidade de receitas e produtos que habitavam o fundo da memória das comunidades, mas que há muito não se faziam”, diz.

Receitas simples, repletas de sabor, “das quais os locais sentem saudades por não integrarem as ementas disponíveis nos restaurantes”. Cada receita é um segredo, uma história que alguém viveu e sentiu na pele e, pelo detalhe do receituário inventariado, é possível contribuir para a qualificação da produção local.

Este “profundo trabalho de investigação” e “exaustivo levantamento do património gastronómico da região, é uma oportunidade e um desafio para a valorização da gastronomia, da restauração e de toda a atividade turística associada”, sublinha Nuno Martinho, Secretário Executivo da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões.

De acordo com o Coordenador Geral da Associação de Desenvolvimento Dão Lafões e Alto Paiva (ADDLAP), Carlos Cardoso, com esta iniciativa, “estamos a tentar alavancar um dos grandes recursos turísticos desta região, ao mesmo tempo que, recuperamos e transmitimos, às próximas gerações, um legado cultural de grande valor imaterial”.

Mais do que um livro de receitas, a Carta dos Segredos Gastronómicos, é um registo de histórias de outros tempos, contadas na primeira pessoa. Entre as curiosidades, pode encontrar um arroz de castanha, resultado da abundância deste fruto outonal. Pode descobrir, ainda, a mais tradicional vitela assada que ia à mesa no dia da Nossa Senhora dos Milagres (15 de agosto), em Pindelo dos Milagres.

“São receitas muitas delas esquecidas, de que só os mais velhos se recordavam, e que em boa hora a CIM Viseu Dão Lafões decidiu recuperar”, concluiu Nuno Martinho.

O próximo passo desta iniciativa passa por transportar as receitas agora recuperadas para as escolas profissionais, nomeadamente para os cursos de Cozinha, Pastelaria e Serviço de Restaurante, e fazê-las chegar às ementas dos restaurantes regionais. Desta forma, a Carta permite criar valor, contribuindo para a formação de profissionais conhecedores da tradição gastronómica local.

Encontrou um erro ou um lapso no artigo? Diga-nos: selecione o erro e faça Ctrl+Enter.

8 Partilhas
Há mais para ler...