Site Norberto Ávila

Morreu o dramaturgo açoriano Norberto Ávila

O autor escreveu mais de trinta peças de teatro.
1 Partilhas
1
0
0
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 7 meses, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado

O dramaturgo e romancista Norberto Ávila morreu em Lisboa. A informação foi avançada esta terça-feira nas redes sociais e já foi confirmada à Agência Lusa pelo presidente da Associação Internacional dos Colóquios da Lusofonia Chrys Chrystello, que acrescentou que a morte aconteceu na semana passada.

Nascido em 1936 em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, Açores, Ávila frequentou a Universidade do Teatro das Nações em Paris, França, entre 1963 e 1965. Em 1973, criou em Lisboa a revista Teatro em Movimento, e dirigiu a Divisão de Teatro da Secretaria de Estado da Cultura.

Em 1978, deixa o cargo para se dedicar a escritor, produzindo “três dezenas de peças teatrais, três romances e um livro de poemas”, nota a Direção Regional da Cultura dos Açores na “Enciclopédia Açoriana”. Foi também responsável pelo magazine da RTP “Fila 1”, dedicado à atividade teatral em Portugal.

Em 2008, a Sociedade Portuguesa de Autores atribuiu-lhe a Medalha de Honra e, em 2010, a Região Autónoma dos Açores, atribui-lhe a Insígnia Autonómica de Reconhecimento. A 10 de junho de 2011, é-lhe atribuído o grau de Comendador da Ordem do Mérito pelo Presidente da República Cavaco Silva.

A obra de Ávila em teatro está maioritariamente reunida na coletânea “Algum Teatro”, editada em 2009, sendo que foi levada a palco em vários países. No entanto, também lançou romances, como “Na Mais Profunda das Águas” ou “A Paixão Segundo João Mateus (Romance Quase de Cordel)“.

Norberto Ávila tinha 85 anos.

Encontrou um erro ou um lapso no artigo? Diga-nos: selecione o erro e faça Ctrl+Enter.

1 Partilhas
Há mais para ler...