Reprodução Youtube

Música em tempos de guerra: canções como forma de resistência ucraniana

As letras da banda Okean Elzy falam de resistência e perseverança.
0 Partilhas
0
0
0
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 10 meses, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado

A guerra da Rússia contra a Ucrânia é também uma guerra cultural: a negação de uma identidade separada do “Mundo Russo“, o bombardeamento de edifícios culturais e religiosos, entre outros. Assim, a resistência ucraniana não é apenas militar, mas também cultural e, nessa guerra, a música ocupa um lugar central.

A banda ucraniana Okean Elzy (Океан Ельзи em ucraniano, ou, literalmente, “Oceano da Elsa”) é uma figura proeminente no panorama musical do país. Foi fundada em 1994 em Lviv, uma cidade histórica na Ucrânia ocidental. Após a mudança da banda para Kyiv, começaram a receber atenção internacional e tornaram-se a primeira banda ucraniana moderna a ser tocada na MTV Russia, em 1998. Com o tempo, a banda tornou-se bastante conhecida e ganhou fãs em muitos países pós-soviéticos. A maioria dos falantes de russo consegue, com pouco esforço, compreender ou adivinhar o significado da letra ucraniana. A banda também começou a realizar concertos na Rússia e na Europa e acabou por ganhar um estatuto de culto na Ucrânia.

O vocalista Svyatoslav Vakarchuk tornou-se uma figura de proa: em 2005, tornou-se Embaixador da Boa Vontade das Nações Unidas; em 2007/2008, e depois novamente em 2019/2020, foi deputado no parlamento ucraniano e durante algum tempo foi considerado um dos favoritos nas eleições presidenciais de 2019. A 7 de março, juntou-se ao exército ucraniano para servir nas forças de defesa da região de Lviv.

Desde então, tem falado publicamente sobre a guerra, apelando às personalidades russas para quebrar o silêncio. Até ao conflito, vários cantores russos tinham um grande número de seguidores na Ucrânia e fizeram digressões comercialmente bem-sucedidas no país.

Desde que a guerra começou, Vakarchuk tem atuado gratuitamente para o público ucraniano, frequentemente a solo, cantando e tocando piano ou guitarra em frente de estações de caminhos de ferro e campos de refugiados ou em estações de metro, como se pode ver neste vídeo gravado no metro de Kharkiv.

Um dos temas que ele toca regularmente tem um significado especial. Chama-se “Місто весни”. (“Misto Vesny”, ou “A Cidade da Primavera”) e é dedicada à sua cidade natal, Lviv.

A versão original, editada em 2021, é um dueto com a cantora Irina Shvaydak, da banda Odin v kanoe. Vakarchuk, que escreveu a letra, explica que esta é a primeira canção que ele escreveu sobre a sua cidade natal.

Hoje, Lviv tornou-se uma porta de entrada para mais de 3 milhões de refugiados ucranianos que deixaram as regiões norte e oriental do país para fugir das bombas russas e procurar refúgio na Polónia, na Eslováquia e na Hungria. Todos eles passam por Lviv de comboio, carro ou autocarro. Desde finais do século XVIII até ao início do século XX, Lviv fez parte do Império Austro-Húngaro; hoje, simboliza as aspirações prevalecentes da Ucrânia de voltar a fazer parte da Europa e distanciar-se da Rússia.

Assim, a letra da canção ganhou um significado simbólico e parece mesmo falar da tragédia atual. A canção começa com as seguintes palavras:

Porque é que sonho que, uma e outra vez, estou sempre a caminhar contigo na minha cidade natal, Lviv? Cheira a Primavera e o sol põe-se nas margens de um rio que já não existe (…)
O que te é querido não morre facilmente em Lviv.
Чому мені сниться, як знову і знову Гуляєм з тобою по рідному Львову Там пахне весною, і сонце сідає На березі річки, якої немає … У Львові так просто своє не вмирає

De facto, as últimas palavras da letra, quando traduzidas para russo, soam como uma mensagem desafiante para as tropas russas: “Во Львове так просто просто своё не умирает,” que significa “Não se morre assim tão facilmente em Lviv”.

Licença Creative Commons

Este artigo, escrito por Filip Noubel e traduzido pel’o largo., foi originalmente publicado no site Global Voices Online e republicado em português de Portugal n’o largo ao abrigo da licença Creative Commons CC BY 3.0.

Encontrou um erro ou um lapso no artigo? Diga-nos: selecione o erro e faça Ctrl+Enter.

0 Partilhas
Há mais para ler...