Euronews bloqueada na Rússia. Google News também

Órgãos de comunicação social ocidentais têm sido bloqueados devido à lei contra notícias que o regime considere falsas. Agência russa também foi retirada do marketplace da Reuters.
Euronews bloqueada na Rússia. Google News também
Jeanne Menjoulet on Flickr (CC BY 2.0)
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 2 anos, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado.

O cerco da Rússia aos meios ocidentais continua. E esta semana conheceu um novo episódio: a Euronews e a plataforma Google News estão bloqueadas ou o seu acesso está bastante restringido em território russo. A razão? A nova lei que contra notícias que o regime considere falsas.

Euronews espalha informações “falsas” e apelos a manifestações não autorizadas, diz o regulador russo

O bloqueio do canal pan-europeu de notícias aconteceu na passada segunda-feira. As autoridades russas bloquearam o sinal e os sites de todas as edições da Euronews. O motivo? Notícias falsas.

Segundo a agência estatal de notícias russa TASS, o canal estaria foi bloqueado pelo regulador dos media russo, a Roskomnadzor, após a solicitação do procurador-geral russo: “O canal estrangeiro de comunicação social tem vindo a difundir sistematicamente informações falsas […] sobre a operação militar especial das forças armadas russas e apela a manifestações (públicas) não autorizadas“, refere o regulador citado por aquela agência.

A resposta do lado da Euronews foi de condenação. Num extenso comunicado em inglês, a estação de televisão classifica esta ação de “censura inaceitável” e “rejeita veementemente as alegações de “notícias falsas” e de apelo aos cidadãos a protestar”, frisando que “não recebeu qualquer comunicação oficial” de que o sinal tinha sido bloqueado em território russo.

Na mesma tomada de posição, a Euronews apelou às autoridades russas para que seja desbloqueado o sinal, citando a Declaração dos Direitos Humanos. Caso a emissão não volte a ficar disponível, a Euronews planeia avançar com um processo em tribunal.

Apesar de tudo, a edição russa da Euronews manter-se-á disponível na internet, estando acessível através duma VPN. E o canal está já a estudar outras formas de fazer chegar o sinal ao público russo.

Google News fornece acesso a conteúdos com informações falsas, diz o regulador russo

A plataforma da gigante de pesquisas norte-americana também foi bloqueado em território russo. A decisão do regulador russo foi posta em prática esta quinta-feira.

Os utilizadores não conseguem aceder aos conteúdos através do site ou da aplicação mobile do Google News ou acedem a esses conteúdos com dificuldades, segundo nota a empresa à Euronews Next. “Isto não se deve a quaisquer questões técnicas da nossa parte”, garante a empresa.

A justificação da Roskomnadzor é muito similar à que foi usada para o bloqueio da Euronews: o serviço “permite o acesso a materiais com informação não confiável sobre o curso da operação militar especial na Ucrânia”, refere a agência russa.

Disponibilizar conteúdos da agência russa “não está alinhado” com os principios da Reuters, diz presidente

Já esta terça-feira, a agência TASS viu-se excluída do serviço Reuters Connect, da agência britânica de notícias Reuters.

O serviço permite aos subscritores ter acesso a notícias e conteúdos de vários órgãos de comunicação social mundiais. A parceria com a Tass permitia a disponibilização de “notícias de última hora e vídeos exclusivos” sobre a atualidade, “o Kremlin e o presidente russo” nesta plataforma. Com a guerra na Ucrânia, a parceria, que já era contestada internamente, começou a ser alvo de protestos nas redes sociais. Numa reportagem do jornal norte-americano POLITICO, alguns jornalistas da Reuters reforçavam isso mesmo: “Foi uma vergonha quando a parceria foi assinada há dois anos. Agora, está simplesmente errado e o silêncio da cúpula é preocupante“, referiu um dos repórteres que não foi identificado na reportagem.

Numa primeira reação, o presidente executivo interino da Reuters Matthew Keen esclareceu que “a redação funciona de forma independente de quaisquer acordos da Reuters Connect”. Mas esta quarta-feira, numa nota enviada à equipa da agência, Keen voltou atrás e considerou que “disponibilizar o conteúdo da Tass no Reuters Connect não está alinhado com os Princípios de Confiança da Thomson Reuters”.

A TASS ainda não reagiu oficialmente. A agência de notícias russa tem sido muito criticada por meios de comunicação social ocidentais pela forma como tem feito a cobertura no conflito na Ucrânia, sendo acusada de fazer propaganda e de espalhar informações falsas.

Total
0
Partilhas
Artigo anterior
“Os sinos da Lapa/ecoam no Paraíso”

"Os sinos da Lapa/ecoam no Paraíso"

Artigo seguinte
Música em tempos de guerra: canções como forma de resistência ucraniana

Música em tempos de guerra: canções como forma de resistência ucraniana

Há muito mais para ler...