Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o largo.

#informação #entretenimento #rádio

08.06.18

"Zona Livre", em Vila Real, encerra no final de junho


helena margarida

Divulgação

"No final deste mês de junho termina a Zona Livre tal como a conheceram. Vila Real não quis este projeto e é nosso dever não insistir", escreve Rui Fernandes, mentor desta Associação, no seu perfil de Facebook. 

Foram 1026 iniciativas em 4 anos, e "as pontes que criámos com mais de 36 entidades não chegaram" para manter a porta aberta. Lembra que foram criados e acolhidos na Zona Livre vários festivais mas "pareceram não ter tido valor cultural suficiente", lamenta. 

Rui Fernandes diz ter a sensação de que a visibilidade que este projeto tinha "era demasiada para aqueles que teimavam em fazer de conta que éramos transparentes, motivando comparações com eles e pondo a descoberto o seu vazio de estratégias ou ideias".
Garante que o único objetivo foi "tão só evitar a degradação deste edifício, dando-lhe uma intensa atividade que o dignificasse e preservasse. Tudo isto, orgulhosamente, cumprimos".
Deixa algumas criticas ao poder local quando diz não poder ser esta direção, quase em exclusivo, a financiar a cultura no centro histórico de Vila Real. "Se se considera o entretenimento como a trave mestra de envolvimento social, parece-nos pouco. Parece-nos pobre" e alerta que "mais tarde ou mais cedo, terá um custo muito elevado para uma capital de distrito".
Deixa um reconhecimento "a quem participou nas nossas propostas" e um agradecimento aos associados, aos Bombeiros Voluntários da Cruz Branca e à Junta de Freguesia de Vila Real "que nos acompanhou sempre e de perto".
Vai adiantando que "se Vila Real não quis este projeto, sabemos que há vila-realenses que merecem outras coisas", pede desculpa pela interrupção e promete "ser breves".
A Zona Livre é um espaço de convívio, sala de cinema, galeria de exposições, palco de concertos e peças de teatro, polivalência que abrange ainda formação artesanal, espaço para eventos, salas de leitura e cafeteria. Instalou-se no Teatro Morais Serrão em 2014, ocupado até então pela Filandorra - Teatro do Nordeste.
No final de junho fecha portas, ao que tudo indica, por falta de apoios económicos e institucionais. Nas redes sociais são já muitos os associados e frequentadores do espaço que já manifestaram o desagrado pela situação e se solidarizaram com Rui Fernandes e este projeto que tem dinamizado a vida cultural em Vila Real.

estamos no facebook e no twitter.
visita também a bilheteira do largo. e torna-te patrono.
08.06.18

Anthony Bourdain "cozinhou" o fim da própria vida


helena margarida

Direitos Reservados

"É com muita tristeza que confirmamos a morte do nosso amigo e colega Anthony Bourdain", escreveu a CNN em comunicado oficial. Bourdain estava em Estrasburgo, em França, a gravar um episódio da série que protagonizava na CNN quando foi encontrado inconsciente, no hotel onde estava instalado, esta manhã, 8 de junho, pelo amigo e chef francês, Eric Ripert.

O ministério público da localidade francesa de Colmar já confirmou a causa da morte, o cozinheiro americano suicidou-se por enforcamento, no hotel Le Chambard, na região da Alsácia, "sem que existam indicações no momento para considerar a intervenção de um terceiro" informou o procurador Christian de Rocquigny du Fayel.

Bourdain construiu uma carreira como chef mas também como figura dos media, tendo protagonizado vários programas de televisão e publicado vários livros, como "Kitchen Confidential: Adventures in the Culinary Underbelly" (editado em Portugal com o título "Cozinha Confidencial Aventuras no submundo da restauração") e "Medium Raw: A Bloody Valentine to the World of Food and the People Who Cook".

Em televisão, estreou-se com o programa "A Cook's Tour" no Food Network que constituiu a rampa de lançamento para "Anthony Bourdain: No Reservations" (Anthony Bourdain: Sem Reservas) no Travel Channel que ganhou dois Emmy e mais de uma dezena de nomeações.

Em 2013, Bourdain mudou-se para a CNN, onde rapidamente se tornou um dos principais rostos da estação e onde tinha atualmente em exibição a 11ª temporada de "Parts Unknown" (em Portugal em exibição no 24 Kitchen, "Anthony Bourdain: Viagem ao desconhecido").

Em fevereiro de 2017, Bourdain esteve em Portugal, no Porto, a gravar um novo episódio da série "Parts Unknown” onde as tripas à moda do Porto e a lampreia foram protagonistas. Esteve em Portugal mais que uma vez, tendo programas em Lisboa, no Porto e nos Açores.

Uma das marcas distintivas de Bourdain era encontrar um pouco por todo o mundo histórias que o interessavam e que podia contar através da sua arte enquanto chef, privilegiando sobretudo aquelas que lhe permitiam dar a conhecer as condições de populações marginalizadas e também lutar por melhores condições para quem trabalha em restaurantes.

"O seu amor pela aventura, por fazer amigos, pela boa comida e bebida e as histórias memoráveis do mundo fizeram dele um contador de histórias único", escreve a CNN.

Aos 61 anos, Anthony Bourdain, sai de cena para embarcar, definitivamente, numa "Viagem ao desconhecido".

estamos no facebook e no twitter.
visita também a bilheteira do largo. e torna-te patrono.
08.06.18

Jovens Artistas tomam de assalto Forte de Sto António da Barra


helena margarida

Divulgação

O Forte de Sto António da Barra, no Estoril, foi tomado de assalto por 64 jovens artistas que por lá vão ficar até domingo, 10 de junho, com o propósito de mostrarem o seu talento.

Selecionados entre 200 candidaturas, os eleitos expõem as suas obras nas áreas de pintura, escultura, instalação, fotografia, colagens, ilustração, gravura, música, stand up e arte digital.

Esta primeira mostra de arte jovem promovida pelo projeto Base LX, uma Associação sem fins lucrativos, pretende ser “o princípio, a origem, o começo e que sirva de pedestal para os jovens que nasceram com um dom para a arte mas que não estão inseridos nas (poucas e muito fechadas) elites artísticas”.
Três dias que não serão só uma exposição, "será um espaço para o desenvolvimento artístico dos jovens” e para promover a inovação, os eventos culturais e “aumentar o seu prestígio e a sua presença neste mundo”, explica a organização. Como tal haverá "Conversas" com Marta D'Orey, Diogo Muñoz e Rita Ferro; "Comédia" com Francisco Salema Garção e "Concertos" de Zanibar Aliens, LaGardère, Marconi's Chin, Iguana Garcia, O Norueguës e Inês Homem de Melo.
Esta é também uma oportunidade para apoiar causas sociais, uma vez que por cada obra de arte vendida os lucros serão distribuídos da seguinte maneira: 70% para o artista, 20% para a BASE e 10% para uma instituição de solidariedade à escolha do Artista.
Com o lema da "Base ao Topo" faz-se este evento de entrada livre.

estamos no facebook e no twitter.
visita também a bilheteira do largo. e torna-te patrono.
06.06.18

MCS Extreme deixa de estar disponível no MEO


Bruno Micael Fernandes

Divulgação

 

O canal MCS Extreme vai cessar emissões em Portugal a partir de 11 de junho. O canal exclusivo da MEO vai deixar de estar disponível na grelha da operadora detida pela Altice, segundo uma nota de rodapé publicada no site oficial.

O MCS Extreme foi lançado em julho de 2016 e era dedicado ao segmento de desportos de ação. Não se sabe, até ao momento, qual o canal que irá substituir o MCS Extreme ou, mesmo, se irá haver algum canal substituto. Recorde-se que o canal FUEL TV, dedicado ao mesmo segmento, deixou a operadora em abril de 2016. 

Portugal é o único país onde a Altice opera e a marca MCS subsiste. Em França, o Ma Chaîne Sport e canais derivados deixaram de emitir em 2017, passando os respetivos conteúdos a serem emitidos nos canais SFR Sports (SFR é o nome da operadora francesa participada da Altice). 

Canais HD chegam ao MEO satélite

Mas nem tudo é mau: a MEO disponibilizou aos clientes com serviço satélite mais três canais. As versões HD da RTP 1 e da SIC já estão disponíveis, bem como a versão em alta definição canal Kuriakos TV, ligado à Igreja Maná.

Os canais estão disponíveis nas posições 201 (RTP 1 HD), 303 (SIC HD) e 191 (Kuriakos TV). 

 

 

estamos no facebook e no twitter.
visita também a bilheteira do largo. e torna-te patrono.
04.06.18

Trio (D)ouro Branco lançado pela Real Companhia Velha


helena margarida

Divulgação

"Porca de Murça", "Evel" e "Grandjó" são os brancos de 2017 que a Real Companhia Velha acaba de colocar no mercado. Estilos bem diferentes, mas ao mesmo tempo clássicos do planalto de Alijó: o ‘Porca de Murça’, fresco, frutado e sedutor; o ‘Evel’, complexo, intenso e mineral; e o ‘Grandjó Meio Seco’, a prezar pela clássica doçura e exotismo têm em comum apenas a proveniência: a região duriense. Na elaboração contam com uvas provenientes de parcelas seleccionadas da Quinta do Casal da Granja –propriedade da Real Companhia Velha desde 1968, que possui cerca de 100 hectares, dos quais 75 são de vinha, e onde a Companhia tem o seu centro de vinificação.

O "Porca de Murça 2017" é um branco mais fresco e frutado, e por isso bastante sedutor. Um vinho de cor citrina e aromas florais muito frescos – características muito próprias das castas Moscatel e Fernão Pires – combinados com sugestões de lima e frutos brancos, derivados do Gouveio e do Viosinho. No palato, os sabores seguem a mesma linha de aromas e são complementados por uma acidez viva, proveniente da casta Arinto, tornando a prova jovem a refrescante. À mesa acompanha pratos de caril, peixes, marisco e saladas. O preço de venda ao público é de 3,89€.

O "Evel branco 2017": complexo, intenso e mineral. Um vinho limpo, brilhante e com uma intensa cor citrina. O aroma jovem e muito frutado deve-se às castas Fernão Pires e Moscatel, com notas florais, claramente associadas ao Viosinho, e de fruta branca com nuances vegetais associadas ao Rabigato. Tem uma excelente acidez crocante, proporcionando um equilíbrio perfeito e que muito contribui para um final longo e fresco. Acompanha peixes, marisco e saladas. Apresentam um preço de venda ao público de 4,89€.

O mesmo preço para o "Grandjó meio seco branco 2017": primado pela clássica doçura e pelo exotismo. Um vinho limpo, brilhante e de cor citrina. À uva Moscatel Galego juntam-se o Viosinho e o Gewürztraminer, aumentando a dimensão aromática e concedendo uma maior estrutura e acidez a este néctar. Os aromas de rosa e sugestões de fruta tropical estão muito presentes. Na boca destacam-se os sabores muito frutados e uma doçura subtil. Termina com um final refrescante graças à sua acidez viva. Óptimo para harmonizar com cozinha chinesa, pratos ricos em especiarias, saladas ou, simplesmente, para terminar a refeição.

Uma tríade de eleição em que sobressai toda a dimensão da Região do Douro. A relação qualidade/preço merece a aposta.

estamos no facebook e no twitter.
visita também a bilheteira do largo. e torna-te patrono.
publicidade